Porsche Carrera Cup: Paludo e Feldmann vencem em Interlagos e são premiados em plena reta.

Foram mais de 150 dias longe das pistas. E a Porsche Cup matou a saudade de Interlagos em grande estilo para sua segunda etapa de 2020, mostrando que mesmo cercada de cuidados para promover um evento em plena pandemia é possível manter o nível de excelência dentro e fora das pistas com adaptações e inovações exigidas pelo momento atual.

O que não mudou foi o nome dos vencedores na Carrera Cup.

Assim como na abertura da temporada, há cinco meses, Miguel Paludo venceu a primeira corrida e Alceu Feldmann prevaleceu na segunda. O piloto da Brandt fechou a etapa como o maior pontuador e se isolou na liderança do campeonato, agora com 76 pontos.

O novo vice-líder é Feldmann (com 70), seguido por Lico Kaesemodel (60).

A GT3 Cup também teve um repeteco de vencedor: Nelson Marcondes levantou a primeira corrida tanto no geral quanto na classe Sport. Na segunda uma punição por queima de largada o impediu de repetir o pódio duplo e manter a liderança nos dois campeonatos. Ele figura no topo da tabela de pontos na classe de entrada, com 36 pontos. Leva cinco de vantagem sobre Eduardo Menossi, piloto que teve duas grandes apresentações no sábado depois de um quali complicado na véspera.

A grande novidade no rol dos vencedores veio na segunda bateria da GT3 Cup, com Marco Billi. Foi sua primeira vitória em evento de sprint e a segunda nas últimas três reuniões da Porsche Cup, uma vez que ele integrou a tripulação vencedora da corrida de 500 km que encerrou a temporada 2019. No processo, Billi assumiu o primeiro lugar no campeonato. Ele tem 64 pontos, dois de vantagem sobre Zeca Feffer.

Na classe 4.0 Sport as disputas foram intensas da primeira largada até a última curva da segunda bateria. Retornando em grande estilo à categoria, Eduardo Azevedo levantou a primeira corrida. Na segunda deu Maurizio Billi na pista, mas após a bandeirada os comissários julgaram que sua manobra para ultrapassar Rodolfo Toni na última passagem pela Junção foi irregular, aplicando 20s de punição e com isso a vitória ficou mesmo com o piloto do carro #52. Toni lidera o campeonato da divisão, com 35 pontos, cinco de margem sobre Rodrigo Mello e Fran Lara, que vêm empatados a seguir.

A Porsche Cup retorna no dia 19 de setembro, para a abertura da Endurance Series em jornada marcada para o Velocitta.

Segurança e calendário

Distanciamento social foi palavra chave desde o planejamento do evento.

O sistema de credenciamento usou inovador mecanismo de escaneamento facial e mensuração da temperatura corporal por meio de câmeras para garantir acesso ao paddock.

Os seletos convidado tiveram à disposição um drive-in para acompanhar as corridas em um telão de dentro de seus carros, com direito a guiar seus Porsche na pista entre as corridas.

Mas a principal novidade veio na premiação das provas da Carrera Cup: a organização realizou uma inovadora cerimônia de pódio, com os pilotos estacionando seus carros em plena reta de Interlagos e erguendo os troféus sobre o teto dos carros de competição.

Ao longo dos cinco meses entre a etapa de abertura do campeonato e a deste sábado, a Porsche Cup manteve contato permanente com as autoridades sanitárias de diversos estados, bem como o corpo médico da CBA. A meta era entregar um evento 100% seguro. Foram realizados, por exemplo, mais de 400 testes PCR para detecção de covid19. Nenhum resultou positivo.

A experiência bem-sucedida permitiu à categoria confirmar o restante das datas do evento em 2020. Serão entregues as três corridas de endurance e 13 provas de sprint -uma a mais do inicialmente planejado para a temporada que celebras os 15 anos do maior campeonato de Gran Turismo da América Latina.

As Corridas

Carrera Cup

Corrida 1

Assim como na GT3 Cup, que abriu a programação do sábado, a Carrera Cup também largou sob regime de safety car, e todos os carros do grid tinham pneus Michelin para pista molhada. Depois de duas voltas, o safety car entrou nos boxes, e, após a bandeira verde, os cinco primeiros conservaram suas posições de largada, com Lico Kaesemodel à frente de Miguel Paludo. O único ataque efetivo foi de Marçal Müller em cima de Christian Hahn, mas sem concretizar a manobra.

O destaque da primeira volta sob bandeira verde foi Alceu Feldmann, passando a linha de chegada em oitavo após superar JP Mauro e Luca Seripieri. Já Rouman Ziemkievicz, que vinha liderando na Sport, deu uma escapada e cedeu a liderança a Fran Lara, que terminou a volta em 12º no geral.

Na sexta volta, continuava intensa a pressão de Paludo em Kaesemodel, até que Miguel fez melhor a Junção, subiu emparelhado com Lico e colocou por dentro no “S” do Senna para fazer a ultrapassagem, mesmo abrindo um pouco a trajetória. Enquanto isso, Hahn tentou a mesma manobra sobre Enzo Elias, sem sucesso, e Alceu superou Werner Neugebauer.

Em seguida, Feldmann continuou sua escalada, ganhando a posição de Pedro Aguiar. Paludo abriu 1s5 sobre Lico, enquanto Hahn tentava o ataque sobre Elias. Na nona volta, a disputa da prova era entre Feldmann e Müller, mas o atual campeão de Sprint vendia caro a posição. Já Elias saiu da briga ao levar o carro aos boxes.

Na décima volta, Hahn ultrapassou Kaesemodel na Reta Oposta. O piloto Shell tentou o “X”, mas o competidor da Blau sustentou a posição. Logo atrás, Alceu passou por Müller.

Na passagem seguinte, faltando quatro minutos para a abertura da última volta, o safety car foi acionado. Os cinco primeiros no geral eram Paludo, Hahn, Kaesemodel, Feldmann e Müller. Em décimo no geral e liderando na Sport, vinha Eduardo Azevedo, à frente de Fran Lara e Maurizio Billi. JP Mauro entrou nos boxes com um pneu furado.

A quadriculada veio sob safety-car, selando a segunda vitória de Paludo no ano. Em sua estreia na Carrera Cup, Hahn terminou em segundo, à frente de Lico, Alceu e Marçal em quinto. Eduardo Azevedo venceu na Sport em décimo no geral, à frente de Fran Lara, Maurizio Billi, Rodolfo Toni e Rouman Ziemkievicz.

Corrida 2

Com a pista seca, a largada foi dada normalmente, ou seja, sem o safety car na pista. Marçal Müller fez uma excelente largada e ultrapassou Pedro Aguiar. Alceu Feldmann ficou em terceiro, seguido por Lico Kaesemodel. Miguel Paludo também fez ótima largada e superou Christian Hahn. Ainda na primeira volta, Eduardo Azevedo rodou, e Fran Lara, que tentava uma outra manobra, acabou tocado. Ambos conseguiram voltar à pista.

Na segunda volta, Kaesemodel mergulhou por dentro de Feldmann no Bico de Pato e assumiu o terceiro lugar. Alceu tentou o troco sobre Lico na reta oposta, mas este sustentou a posição pela Descida do Lago e Laranjinha. Mas Feldmann finalmente recuperou a posição no Bico de Pato. Mais atrás, Hahn passou reto e perdeu duas posições. Na classe Sport, Rouman Ziemkiewicz tentou passar Rodolfo Toni no “S” do Senna, mas rodou no processo e obrigou Maurizio Billi a ir para a área de escape a fim de evitar o contato como carro atravessado.

Na abertura da sétima volta, Feldmann atacou Aguiar no “S” do Senna, mas as posições foram mantidas, e Kaesemodel e Paludo entraram nessa briga. Atrás deles, Werner Neugebauer e Enzo Elias, que havia largado em 16º, disputavam o sexto lugar. A 11 minutos do fim, Alceu finalmente passou ao segundo lugar, e Pedro também foi superado por Kaesemodel, no Laranjinha; Paludo tentou pegar uma carona mas não conseguiu. Müller já abria mais de 1s5 na liderança.

A disputa entre Werner e Enzo continuou. O piloto do carro #73 chegou a fazer a ultrapassagem, mas levou o “X”. Elias insistiu e finalmente superou o adversário, na 11ª volta. Christian Hahn aproveitou e encostou neles, mas não conseguiu a ultrapassagem. No Laranjinha, Paludo induziu Aguiar e subiu para quarto.

A seis minutos do fim, Feldmann colou definitivamente em Müller e tentou a ultrapassagem no fim da reta oposta. Na classe Sport, a briga pela liderança também estava indefinida, com Rodolfo Toni em 12º no geral liderando à frente de Maurizio Billi, com menos de meio segundo de diferença entre eles.

Enzo Elias passou Pedrinho Aguiar na abertura da volta 13, mas houve troco na reta oposta, e Elias deu uma escapada. Werner, Hahn e Luca Seripieri aproveitaram para ganhar uma posição cada. Ao mesmo tempo, Paludo encostou em Kaesemodel na disputa pelo terceiro lugar, e Feldmann seguiu a pressão em Müller.

Faltando dois minutos, Feldmann mergulhou com tudo no “S” do Senna e assumiu a liderança. Alceu deu uma espalhada e quase permitiu o troco a Marçal. Com a disputa, Kaesemodel e Paludo encostaram nos dois, proporcionando uma espetacular disputa entre quatro pilotos pela vitória. No minuto final, Paludo finalmente passou Lico, também no “S” do Senna. Na Sport, Toni seguia pressionado por Billi na batalha pela liderança.

Paludo ainda tentou atacar Müller na última volta, mas não conseguiu a ultrapassagem, e isso permitiu a Feldmann respirar na liderança. Alceu conquistou sua segunda vitória na temporada, seguido por Müller, Paludo, Kaesemodel e Aguiar, que fechou o pódio em quinto.

Na disputa pela vitória na classe Sport, Billi tentou uma manobra na última volta sobre Toni na Junção, mas houve o contato entre os carros. Mesmo com a suspensão dianteira direita danificada, Billi cruzou em primeiro, à frente de Toni, Rodrigo Mello, Rouman Ziemkiewicz e Fran Lara. Mas o competidor do carro #34 foi penalizado com acréscimo de 20s ao seu tempo de volta assim caindo para quinto lugar na classe – a vitória ficou com Toni.

GT3 Cup

Corrida 1

Depois da placa de cinco minutos para a volta de apresentação, a chuva apertou, e todos os pneus foram trocados no grid para compostos de pista molhada. A direção de prova ainda determinou a largada atrás do safety-car.

Após duas voltas sob intervenção do carro de segurança pilotado por Ricardo Landi, a bandeira verde foi agitada, e Chico Horta sustentou a liderança, e os nove primeiros seguraram suas posições.

Nelson Marcondes colou em Chico Horta na quinta volta e conseguiu a ultrapassagem no fim da reta oposta. Urubatan Jr tentou pegar uma carona para também superar Horta, mas este segurou o segundo lugar no Laranjinha.

Na sexta volta, Tom Valle saiu da pista aparentemente após um contato e, com isso, o safety car voltou à pista. Marcondes liderava no geral e na classe Sport, à frente de Chico Horta, Urubatan Jr, Lucas Salles e Cristian Mohr.

O safety car deixou a pista na abertura da décima volta, a 3m30 do fim. Nelson Marcondes sustentou a liderança, mas Horta foi atacado por Urubatan durante toda a reta oposta. Eles fizeram a curva lado a lado na Descida do Lago, e Chico rodou após passar sobre a zebra molhada. Horta atravessou a pista e bateu, mas tirou seu carro da posição perigosa no muro, e a corrida seguiu sem nova neutralização do safety car.

Naquele momento, os cinco primeiros eram Marcondes, Urubatan, Salles, Márcio Mauro e Cristian Mohr. Em décimo no geral e segundo na Sport, vinha Eduardo Menossi, seguido por Georgios Frangulis, Leo Sanchez, em bela recuperação largando de último, e Ricardo Fontanari, na última posição do pódio.

A vitória ficou mesmo com Marcondes, que cruzou a linha de chegada quatro segundos à frente de Urubatan, e este ficou três segundos à frente de Salles. Mauro ficou em quarto após largar em 17º, e Marco Billi alcançou na volta final o último lugar no pódio na geral.

Marcondes também venceu na Sport, à frente de Menossi, o oitavo no geral, imediatamente à frente de Sanchez, um dos destaques da prova. Em décimo no geral, Frangulis foi o quarto na classe, e Ayman Darwich fechou o pódio da categoria, em 11º no geral.

Após a bandeirada, os comissários puniram Urubatan Jr com o acréscimo de 20 segundos ao seu tempo de prova. Com isso, ele caiu para nono. Lucas Salles herdou o segundo lugar, com Marcio Mauro, Marco Billi e Zeca Feffer completando os cinco primeiros.

Corrida 2

Com a inversão de seis posições no grid determinada por sorteio, a pole ficou com Cesar Urnhani, seguido por Zeca Feffer, enquanto Nelson Marcondes largou em sexto. Os carros largaram com pneus slicks, mas com a pista ainda tendo alguma unidade. A direção de prova determinou largada atrás do safety car.

Depois de três voltas sob regime de safety car, Nelsinho Marcondes fez uma grande manobra por fora, avançando de sexto para quarto no “S” do Senna. Já Leo Sanchez foi tocado e bateu no muro, o que levou o safety car de volta à pista. Os cinco primeiros eram Urnhani, Feffer, Marco Billi, Nelson Marcondes (líder da Sport) e Marcio Mauro.

Na relargada, Feffer assumiu a liderança à frente de Billi, Marcondes, Mauro e Urnhani. Na oitava volta, Billi passou ao primeiro lugar após superar Zeca no “S” do Senna. Marcondes tentou atacar na reta oposta, mas Feffer sustentou o segundo lugar.

Marcio Mauro surpreendeu Nelson Marcondes no Bico de Pato e tomou a posição com uma grande manobra. Mal posicionado, Nelson também foi ultrapassado por Urnhani. Na décima passagem, a briga mais interessante era entre Lucas Salles, Ayman Darwich e Nelson Monteiro, com esses dois últimos superando o carro #7.

Na volta 13, Feffer ainda tentava buscar Billi, enquanto Mauro se defendia de Urnhani no “S” do Senna. Marcondes aproveitou a briga para passar por fora na Descida do Lago, mas Cesar não desistiu e retomou a posição antes do Laranjinha. Logo atrás, Monteiro e Darwich vinham lado a lado no trecho entre a Junção e o “S” do Senna, e o egípcio tentou sem sucesso a manobra por fora.

Na última volta surgiu a informação de que Marcondes seria punido com o acréscimo de 20 segundos ao seu tempo de prova por queima de largada. A disputa seguiu até a bandeirada, e Nelson passou Urnhani, que perdeu um pouco de ação e foi ameaçado por Monteiro.

Marco Billi alcançou sua primeira vitória numa corrida de Sprint, seguido por Zeca Feffer, Marcio Mauro (no seu melhor fim de semana na categoria), Nelson Monteiro e Cesar Urnhani. Em oitavo, Ayman Darwich conquistou a vitória na classe Sport.

O que eles disseram:

“Saldo do final de semana foi extremamente positivo. Repetimos o desempenho da primeira etapa, só faltou a pole na primeira largada. Tive um bom ritmo durante o final de semana inteiro, tanto na chuva quanto no sol. Agora é pensar no campeonato, cada prova importa e cada ponto é importante.”

Miguel Paludo

 

“Tinha uma estratégia diferente, pensei que ia largar na frente, mas deu tudo errado na classificação e largamos em 11. Tinha uma tática boa para a primeira bateria, mas foi por água abaixo com a chuva. Sempre vou bem no molhado e consegui terminar em quarto. Na segunda eu vinha mais rápido que os outros e consegui fazer as ultrapassagens com todo cuidado. Dirigi com a faca nos dentes e consegui terminar em primeiro. Estou muito contente”

Alceu Feldmann

 

“Foi um final de semana positivo. Muito bom vencer na geral e na Sport. Ajuda muito no nosso objetivo vencer em ambas as categorias. Na segunda eu queimei a largada sem querer e me rendeu 20s de punição. Vinha em quarto da geral, mas ainda assim deu para salvar um pódio na Sport.”

Nelson Marcondes

 

“Resultado de muito trabalho essa primeira vitória na sprint. Estou há três anos na categoria e venho evoluindo prova a prova e isso que me motiva. Tenho que agradecer as pessoas da minha equipe, meu pai que sempre incentiva muito. Estou contente, já havia batido na trave em outras ocasiões e hoje veio a vitória.”

Marco Billi

 

“Fica aquele gostinho de que poderia ter sido melhor. Larguei bem nessa segunda bateria. Tava com um bom ritmo. No final da prova estava perdendo um pouco de desempenho, estava com o carro bem desgastado. Foram bons pontos para o campeonato e agora é pensar na próxima corrida.”

Marçal Muller

“Sabiamos que seria um final de semana bem competitivo, senti um gostinho de que poderia ter sido melhor por ter largado na pole. Na chuva o carro não estava muito bom, mas não tinha aquele jato de água vindo direto no para-brisa. Podia ter forçado o segundo lugar, mas pelo campeonato preferi me manter na terceira posição. A segunda corrida foi muito disputada, boas ultrapassagens e muito movimentada. Ainda tem muito campeonato pela frente”

Lico Kaesemodel

“A primeira corrida tive muita dificuldade em me entender com a pista, cheguei a liderar a categoria por uma volta, mas acabei em um quarto lugar muito disputado. A segunda corrida foi excelente para mim, infelizmente tive aquele toque com na última freada que me custou a vitória.”

Rodolfo Toni

 

“Foi um bom final de semana. Vim da primeira etapa com meu melhor resultado até agora. Na segunda, estava em segundo da categoria e infelizmente peguei uma zebra com um pouco de água. Mas saldo positivo, se tem carro na frente tem que tentar passar.”

Georgios Frangulis

“Não tive uma primeira corrida boa, não tinha tanta base de correr na chuva. Mas foquei no campeonato esse final de semana e os resultados foram muito bons para isso. Sexto na primeira e segundo na bateria final. Foi um bom final de semana em geral.”

Zeca Feffer

“Nossa performance de treino foi muito boa, treinamos bem e largamos de p5. Na corrida nós pegamos o pior momento da pista, onde ela não está nem seca e nem molhada. Você precisa andar no trilho para não rodar, e infelizmente eu acabei rodando e caindo pro final do pelotão, mesmo assim ainda consegui recuperar algumas posições e terminar perto do top10.”

Cristian Mohr

“Andei muito bem na sexta, mas o sábado foi para esquecer. A largada na primeira corrida não foi das melhores, muita confusão. Tomei o toque e bati forte. Na segunda, com carro reserva e largando do final do pelotão é uma outra corrida completamente diferente. Final de semana para esquecer.”

Chico Horta

“Final de semana que eu considero produtivo. Andei bem no treino, mas no quali largamos mal. A chuva e o safety car na corrida me ajudaram a conquistar as posições e terminar em quarto. Na segunda, largando de terceiro consegui andar bem, no final o carro perdeu um pouco de pressão, mas consegui resistir aos ataques e terminar em terceiro.”

Marcio Mauro

“Fazia tempo que não fazia uma corrida boa dessas. Desde aquele acidente lá em 2018 eu não conseguia encaixar uma boa corrida, essa chuva veio para lavar a alma em Interlagos. Estava com muita saudade de pilotar e fiquei feliz com o resultado da primeira bateria”

Eduardo Azevedo

“Foi muito divertido. A pista estava escorregadia, mas fui com calma e tranquilidade e consegui fazer algumas ultrapassagens bem legais. Larguei em 12o e precisei trabalhar muito para chegar nessa posição.”

Ayman Darwich